domingo, 16 de junho de 2013

Armário

A distância que tomo de ti me dói a cada segundo.
A falta que vc me faz, do seu cheiro que remete ao conforto primordial do ser....
Chorei cada ausência toda a minha bebezice, e a choro novamente agora, pelos quilômetros e pelo silêncio que nos separa de ser inteiras, uma para a outra...
E me dói que eu mesma coloque essa distância, mas me seria insuportável permanecer perto sem ser livre, e mais ainda me doeria que a distância fosse para sempre, pelo amor que vc deixaria de ter por mim se me conhecesse racionalmente por inteiro.
Quando você ataca meus iguais, quando age com eles como os meus inimigos agem perante a mim, eu sinto uma dor de rejeição que não sei explicar, uma tristeza profunda por saber que é preciso manter a distância. Eu me encho de esperança tantas e tantas vezes de que isso vai mudar, e quem sabe seja isso que me move a escrever, de que eu poderei ser livre e ser próxima de você, sentir seu abraço e seu cheiro mais vezes, mas a cada comentário seu contra meus iguais, eu me calo e lamento a nossa distância, eu choro mas tento secar minhas lágrimas...
A distância que faz o conflito se calar, a distância da minha covardia, do medo enorme que tenho de te perder, o medo por não saber se aguentaria essa dor.
Às vezes eu tento pensar que vc superaria até os milênios de opressão que se sobrepõe sobre nós pelo que sente por mim, o amor viceral que a maternidade traz, às vezes eu tento pensar que com certeza a minha liberdade te faria muito bem, às vezes eu acho um absurdo de minha parte não confiar no seu amor...Mas eu tenho medo de te perder, porque eu não suportaria que você odiasse minha forma de ser, minha natureza.
E me vem a boca uma vontade de te pedir perdão por ser quem sou de fato e não quem tu querias que eu fosse, e ao mesmo tempo uma revolta imensa por tamanha traição a mim mesma.
E assim fico lacrada neste armário, do qual saí para o mundo todo, menos para ti, porque a dor de te perder seria com certeza muito maior do que a dor de perder o mundo inteiro...

Nenhum comentário:

Postar um comentário