segunda-feira, 6 de maio de 2013

Amor nos tempos do cólera

Que porra de sociedade doente a gente está agora, em que o amor é um problema? E os amores que irradiam do corpo, do corpo trêmulo e orgástico para o lado de dentro, por que não podem se anunciar por aí, por que no mundo eu não posso dizer eu te amo para todo mundo que de fato amo, ou amei por um dia que fosse? 
Quando o amor virou um problema, quando o amor foi contaminado pela marca da posse e do medo? Por que a gente tem tanto medo de amar, por que amar dá tanto medo?

Quando foi que nos treinamos a não sentir, a não amar, a não nos entregar ao outro e criar um nós sólido, corpóreo e livre? Por que lacramos os corações e os corpos, afinal, e cultivamos relações distantes e "seguras"? Quando foi que a inveja e a competição começou a ter mais valor que o amor e a paixão?

Um comentário:

  1. Quando o "eu" vale mais do que qualquer coisa. Quando o individualismo e a impessoalidade são as coisas certas a se valorizarem!

    ResponderExcluir