quarta-feira, 28 de março de 2012

Romantismo

Acordei com o despertador antes da hora, o Pi mamando.
"Capi, desliga!"
"que saco, já?"
"Depois vc volta a dormir..."
Levanto, tomo café e banho, eles dormindo. Paro para vê-los dormir na mesma posicão. Dou um beijinho em cada um e sussurro no ouvido do maior:
"Feliz aniversário de casamento!"
Vou trabalhar. Volto possessa com certas folgas burguesas, atrasada para encontrar meu parceiro de dar aulas, que me esperava em casa com meus dois amores.
"Que saco, amor! Esses burgueses pensam que não temos nada para fazer além de servi-los. E ainda vem chorar miséria!!"
Faco a reunião, intercalando olhares cuidadosos na cria com ele.
O Dudi vai embora. O Pi dorme. ENfim, sós!
"Sabia que estamos nas bodas de algodão? Ano que vem são as de couro, isso promete...heheh...Pena que de 6 anos é de acúcar, e eu quase diabética...bubu"
Ah, como vc é lindo...estamos sozinhos, hum....
Doce ilusão, barato cortado pelo choro...Droga!
Pedimos uma comida gostosa. Enquanto esperamos, vou dar uma volta com o pequeno rebelde...Rebeldia de dente...
Chegou. Comemos compartilhando preocupacões.
"Não vamos dar conta desse aluguel e desse ritmo"
Ligo para a professora. Uma meia verdade não faz mal a ninguém....
Tudo pronto para sair, o temporal.
"Que saco, que saco que saco!"
"Eu fico com o Pi p/ vc ir, não dá para tirar ele de casa com essa chuva"
"Eu queria levar ele..."
Lá vou eu, com medo do carro boiar. Me atento à aula, monitora mais falante do que devia. Saio.
Vou atrás do remédio do bebê. Nada feito.
Dou carona pro Ruy e venho falando com ele sobre educacão, sobre dentes de criancas.
Chego em casa e me lembro:
"O pagamento!"
Vamos os três buscar.
Seu Tião me diz para buscar azeite e óleo na volta.
Voltei. Esqueciiiiiiiiiiiiiiiiii...
Cuido do Pi, enquanto ele trabalha. Meus pés crescem como pães, junto com minha dor de cabeca.
"Isa, pára de enrolar e vai ver esse exame de diabetes logo!"
E enfim o Pi dorme, eu leio milhões de emails atrasados, venho pro quarto e digo:
"Tenho uma coisa muito romântica para te dizer"
"O que?"
"Vamos dobrar essas roupas que tirei do varal?"
"Putz, tenho outra coisa romântica: preciso por as fraldas para bater"
"Se eu dobrar tudo, vc tira tb meu chinelo que eu deixei de molho e esqueci de tirar?"
"Tiro"
"Mas tô falando sério, acho muito romântico isso: ter uma vida junto"
"Sabe que eu tava pensando nisso hoje?"
Sento para escrever. Ele volta com meus chinelos.
"Limpinhos, ó! Mas o de palha estragou, ficou tempo demais. Vou tomar um banho"
"Ah, então eu vou com você."
E o fim da noite vai ser arrumar o lencol na cama e dormir de conchinha, como o cotidiano.

Assim, sem jantar a luz de velas, sem motel caro, sem pirotecnias, sem presentes. Só companheirismo.


Capi, não importa em que sala de jantar estejamos, não importa as correntes que nos prendam: quando olho para você, eu tenho certeza de que podemos transformar em balões as salas de jantar, de que temos toda a força para quebrar qualquer corrente...=)
Te amo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário