sábado, 12 de fevereiro de 2011

Érica

Capítulo 2: A ameixa

Érica acordou no dia seguinte num pulo, assustada. Tinha custado a dormir, não conseguia controlar aquela sensação gostosa e assustadora que estava sentindo. Teve um sono inquieto e um sonho estranho: sonhava que quando olhava para as mulheres na rua, via as suas bucetas e elas gritavam de prazer igual à ruiva do filme. Preparou o café do marido e das crianças meio atrapalhada, quebrou dois copos na pia e sentou à mesa perturbada. O marido observava meio intrigado aquele comportamento estranho... Érica viu as frutas em cima da mesa, pegou uma ameixa bem vermelha e começou a cravar os dentes, de olhos fechados, deixando os lábios abertos e apertados, como se fosse a buceta da ruiva. A ameixa soltou seu suco dentro da boca dela, e em seu pequeno devaneio era o suco da buceta da ruiva, e ela a ouvia gritando de tesão.

As crianças não estavam prestando atenção, mas o marido percebeu. Guilherme olhava a cena um pouco assustado e muito excitado, o pau crescendo por baixo da calça social, ele nunca tinha visto sua mulher assim. Era um homem elegante, com a pele cor de chocolate, com excitantes cabelos grisalhos, mãos grandes e postura esguia. Tinha uma barba espessa, também grisalha, que lhe dava um ar de experiência que chamava atenção das mulheres na rua. Desde que conheceu Érica, nunca mais havia estado com outra mulher, e Érica era uma moça muito recatada e bem puritana, o que o privara de certos prazeres. Mas vendo a boca dela cravada na ameixa, ele não conseguia parar de desejar que a cabeça do seu pau estivesse no lugar daquela ameixa, dentro da boca dela, sentindo a língua indo e voltando, a boca chupando, os lábios apertando...

Então ela abriu os olhos e viu o marido vidrado nela, e se lembrou de onde estava. Levantou esbaforida da mesa, tirou as coisas do café, se despediu do marido toda sem graça e foi levar as crianças na escola.

Ele ficou meio parado ainda na mesa, sonhando sozinho mais uns cinco minutos, e resolveu ir para o trabalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário