terça-feira, 25 de maio de 2010

O juízo de loucos

O juízo de loucos

É isso afinal que somos, é disso que somos feitos. Pura loucura em nossas escolhas, mas jamais acidentados do destino. Você é a materialização de meus devaneios, nem eu mesma acreditava que vc pudesse existir. Tanto me disseram que não adiantaria esperar, tanto me disseram que eu ia ficar só se continuasse com as minhas "atitudes", e eu na verdade prefiro a solidão a submissão...
Eu que nunca acreditei nessa coisa de esperar, de ver se dá, de teste...Eu que sempre fui certa do "se quero, quero e ponto", nunca achei de verdade que ia encontrar alguém que topasse a minha loucura.
E aí no meio do mundo, no meio da minha felicidade deliciada de libertação de meu ouro de tolo, eu topo com você, vc e todas essas ferramentas fantásticas para quebrar as correntes que ainda me prendem, vc e toda essa loucura de se atirar de cabeça em nós, vc e todo esse vento maluco de liberdade...

Vc sempre me lembra das cores e do colorido do terraço. Olhar nos seus olhos me tira de qualquer sala de jantar. E quando o medo me faz encolher, vc me abraça e me liberta.

Não existe opressão entre nós. Não existe medo que seja paralisante, que seja empecilho a nossa cumplicidade, que nos barre a vontade de crescer. Nossa canção iluminada de sol entoa por aí, irrita aos estáticos da sala de jantar, espanta aos medrosos que nela estão, faz brilhar os olhos de quem quer sair correndo dela, e de quem já brinca livre aqui fora...

Os sonhos que plantamos no jardim de meu corpo crescem, e já estão prontos para brotar...O sonho maluco brotará desde o começo diferente daquelas coisas chatas da sala de jantar...

Eu te amo, meu companheiro de loucuras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário