quarta-feira, 5 de maio de 2010

Adriane Galisteu, cesáreas, e padrões de beleza

olha, um post que saiu sem querer!

Rolando uma discussão no grupo de emails de gestantes/mães pelo parto humanizado que participo sobre a Adriane Galisteu declarar abertamente que já marcou a cesárea...Aí a galera começou a discutir, e falar dessa imagem da cesárea como salvadora da dor e de "estragar a mulher", como se o parto normal fosse uma dor absurda e estragasse a vagina...

Pois é sobre isso que eu acabei escrevendo...

Aí vai o email que mandei no grupo:

O que estraga mesmo a mulher não é parto, nem celulite, nem estria, nem gordurinha, nem falta de gordurinha, nem peito pequeno, nem peito grande, nem quadril largo, nem quadril estreito, nem TPM, nem mesntruação...

O que estraga a mulher é a opressão a que nos submete essa sociedade maluca, que nos submete a um corpo midiático, nos submete a nos encaixar em padrão de beleza, de sexo, de desejo, nos restringe a buscar o prazer e o conhecimento do próprio corpo, nos enche de vergonha quando estamos com tesão, sem tesão, nos enche de vergonha quando menstruamos, quando não menstruamos, quando nos mantemos virgens, quando queremos todos os homens do mundo...

E diga-se de passagem, isso tudo estraga o homem também.

Nem cesáreas e nem partos normais nos estragarão. Nos estraga é acabar com o que somos, nos esvaziar da humanidade e da sexualidade que temos e restringir nossa capacidade de dar prazer ao outro e a si mesma a uma buceta apertada, uma coisa tão valorizada que nem sei porque não é padrão ser virgem aos 40 anos, e encheram tanto o saco da Sandy(desculpem o palavrão, mas não podia usar outra agora).

E a Adriane Galisteu está só cumprindo o papel dela de produto de mercado, nada menos surpreendente que isso. Afinal, onde nos espelharemos para desacreditarmos nas nossas diferentes belezas e na nossa capacidade de ser inteira por ser mulher? Onde produziremos as mulheres quebradas que o machista do Freud via espalhadas por aí?

Curiosamente, estudos sobre sexualidade humana dizem que as mulheres vão progressivamente gostando e tendo mais prazer no sexo conforme o tempo passa, e que a gravidez é um ótimo período para isso, e que depois de uma gravidez temos uma maturidade sexual bem maior.

É só...

Beijos...

Isadora, 37 semanas do Pietro, que prefere continuar a comer chocolate a não ter estrias e que confia bastante que o sexo só melhora com o tempo e com o parto.

E para quem duvida que o Freud fala isso, é só ler ""Algumas consequências psíquicas da distinção anatômica entre os sexos"...Abominável, deplorável...

3 comentários:

  1. Não acho que Freud seja machista...Era apenas um produto de seu tempo, vitoriano.

    Quanto ao parto, não sou mulher, logo é difícil palpitar. Mas acho que o parto normal é mais, digamos, "natural". Mais do que isso, em todo caso, é velar pela saúde e bem-estar do guri e da gestante.

    Abraços, Isadora.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Eu acredito q existe partos e partos normais...
    o meu foi anormal... por isso traumatizei, mais tenho varias amigas q disseram q foi otimo!
    Cada pessoa reage de uma forma,não pode julgar nem generalizar!!

    ResponderExcluir