domingo, 18 de abril de 2010

O corpo das mulheres como campo de batalha

Sem muito tempo p/ escrever, entre dormir e estudar um bilhão de coisas p/ entregar antes do Pi chegar...Posto este texto que eu achei do caralho, muito bom mesmo...

Boa leitura, caros!

Bjo, Isa

Os corpos das mulheres como campo de batalha

Depois de uma recente viagem à Palestina, fiquei fortemente impressionada com o altíssimo índice de natalidade existente entre as mulheres palestinas. Elas, nas reuniões que mantivemos com as suas associações, explicavam-no como uma nova forma de luta pelos seus direitos, como um novo feminismo, além de ser considerado como um dever patriótico. Mas, apesar disso, custava-me muito a entender até que passados uns dias li, num documento que caiu em minhas mãos, que a verdadeira questão é outra. Trata-se de uma estratégia política para poder manter a separação demográfica com Israel. Desta maneira também integram a luta contra o Estado ocupante, no seu próprio corpo de mulheres.

Tendo em conta que Israel também realiza políticas ativas para o crescimento demográfico, deparamo-nos com o fato de que tanto os dirigentes palestinos como os judeus estão a utilizar os corpos das mulheres como campos de batalha, sem ter em conta as suas próprias decisões pessoais, nem o direito de poder decidir sobre o seu próprio corpo. Deste modo posso entender o grande número de meninas e de meninos palestinos mortos na ofensiva de Gaza. Não se trata só de destruir, trata-se de matar gente, para assim evitar que no futuro continuem a reproduzir-se. Parece-me tudo tão complicado, tão agressivo, tão doloroso, que embora entendendo-o, continuo a achá-lo uma barbárie.

Nós, mulheres, temos direito a decidir livremente sobre o nosso corpo e nenhum Estado nem nenhuma estratégia deverá impedir-nos de sermos senhoras absolutas dele. Mas vejo que não é assim e que continuam usurpando a nossa intimidade, a nossa capacidade reprodutora em nome dos interesses de outros. E, o que é pior, tudo isso negando-nos a capacidade de ter prazer.

E de novo surgem da escuridão, como fantasmas, os dogmas das religiões, de qualquer delas. São eles, os dogmas, os ritos e as crenças religiosas que impedem as pessoas de terem uma certa objetividade no olhar à sua volta, tornando-as sectárias e dogmáticas, dispostas a tudo para defender esse deus que representa a sua essência vital. Devido a esse sectarismo religioso, de qualquer cor, têm surgido guerras e ao longo da história sempre se repetiu o mesmo padrão: a defesa intransigente dos éditos religiosos contra outras crenças ou contra o questionamento desses mesmos éditos.

E tanto derramamento de sangue sempre tem levado, em paralelo, à utilização dos corpos das mulheres, quer como armas de guerra, com violações e humilhações de todos os tipos, ou fazendo-as parir para dar mais filhos à causa em jogo. Ou acaso não recordamos a limpeza étnica da última guerra dos Bálcãs?

Com o cinismo que caracteriza os que conscientemente defendem as causas injustas o presidente dos EUA, Barack Obama, lançou aos quatro ventos os seus argumentos para continuar as guerras sem fim. Desde a sua chegada à Casa Branca, o “hierarca” do Império continuou a enviar tropas para o Afeganistão, sabendo que os bombardeamentos afetam principalmente as populações civis desarmadas. Alguns dias antes de receber, em Oslo, o prêmio Nobel da Paz, ordenou que trinta mil soldados incorporassem as operações bélicas na Ásia. Entretanto, ele disse coisas como: "Nas últimas seis décadas os EUA têm garantido a paz mundial" e que “é necessário o derramamento de sangue para preservar a segurança”. Argumentos semelhantes esgrimia Adolfo Hitler quando justificava a expansão criminosa da Alemanha para preservar o "espaço vital", ou José Stalin quando assinou o pacto com Hitler.

A lógica de lançar os povos para as guerras e submetê-los aos seus horrores, tem sido e continua a ser a cartada dos assassinos em série da história. Recordemos a invasão russa da Hungria em 1956, as múltiplas Incursões dos EUA na América Latina, desde Monroe, mais tarde o big stick de T. Roosevelt, os envios de tropas para a Coréia e Vietnam de J.F. Kennedy, da Primavera esmagada de Praga pelas tropas do Pacto de Varsóvia, do massacre de Tlatelolco no México, as guerras intermináveis na África, alimentadas a partir das Metrópoles européias, EUA, ex-URSS, China, etc. As ditaduras latino-americanas perpetuaram genocídios com seqüelas ainda latentes. Obama procura justificar a continuidade do terrorismo de Estado à escala global, dizendo que "o uso da força militar não é apenas necessário, mas moralmente justificável para alcançar a paz. Claro, como diria Walter Benjamin, a moral dos opressores.

Certa vez, o filósofo Herbert Marcuse disse que se calhar a última vez que se combateu pela liberdade e justiça para os povos foi na Espanha revolucionária em 1936, enfrentando o fascismo.

Sabemos que os povos continuam a lutar por aquelas causas em muitas latitudes e que não se submeterão facilmente só para dar as suas vidas pelos interesses dos ricos e opressores. Talvez ali possa ser sido o ninho da germinação de sociedades que possam alguma vez arquivar o apróbio desses tempos sombrios. As mulheres eram violadas, raptadas e forçadas a parir em condições tão terríveis para as “desonradas” perante as suas famílias… e aceitar um filho, neto ou sobrinho, engendrado pelo agressor?

É terrivelmente doloroso para mim ter que aceitar que estes acontecimentos ocorrem, que estão ocorrendo agora mesmo em qualquer conflito armado ativo no planeta. Pensar nos corpos das mulheres como campos de batalha onde se redimem conceitos como Estados, comunidades, ou congregações, parece-me uma barbaridade difícil de aceitar, mas é o que está a acontecer. A dor da aceitação desta realidade implica um compromisso contra tais situações. E uma maneira de combater essa realidade inaceitável é dando-a a conhecer na sua plenitude.

Assim, as mulheres da Palestina, e tantas outras mulheres do mundo, continuarão a ver arrebatarem-lhes a decisão sobre algo tão íntimo como o seu corpo, e sobre a sua relação com ele, assim como a decisão de serem mães ou não, continuarão a serem usadas como campo de batalha onde construirão a ansiada nação palestina livre, mas a que preço?

Tere Molla

tmolla@teremolla.net

Fonte: El Libertário Nº58 - Venezuela

Tradução > Liberdade à Solta

Nenhum comentário:

Postar um comentário