segunda-feira, 12 de abril de 2010

As pulseirinhas do sexo

A novidade do momento são umas pulseiras coloridas que os adolescentes usam para brincar de sexo.
Claro que isso ia dar bafafá...
Penso eu: que merda, mais um uso mercadológico do desejo, vc comprar pulseirinhas e transformá-las em febre, mais uma vez o sexo usado pelo mercado, a falta de liberdade que há no mercado, a democracia burguesa, blá blá blá...Eu poderia falar durante algumas horas, como toda boa vagabunda feminista de esquerda porra louca anti-propriedade privada, sobre isso. Mas acho que isso não me despertou suficiente revolta acerca das pulseirinhas...O problema do qual eu vou falar é um pouco mais profundo.

Ocorreram alguns casos de estupro de meninas por causa das pulseirinhas. Absurdos horrorosos, com meninas de todas as idades, estupros por vários meninos... Bom, a discussão é claro que foi parar nos caros direitosos religiosos puritanos puros e castos, que adoram consumir os filminhos lá na lojinha que eu vou comprar brinquedos... Enfim, estes últimos vieram com a solução: proibamos as pulseirinhas!!!

A resolução foi aprovada em algumas cidades, e o pessoal discute, sejam contra ou a favor, se isso é caso de se proibir as pulseirinhas, se não deve ser o controle feito pelos pais..O problema central p/ esse povo e p/ o senso comum são as pulseirinhas, claro, se não fosse por elas, nunca ocorreriam estupros...

Será?

Isso é ridículo! As pulseirinhas são uma manifestação do desejo - aliás, algo naturalíssimo para a faixa etária, principalmente com a erotização excessiva e padronizante que o mercado traz. Se os jovens se manifestam por elas é porque é isso que eles tem. É pelo mercado hoje que se dá a (des)educação sexual, e é por ele que o jovem pode se manifestar sem um adulto babaca arregalando os olhos em reprovação com as mais bobas perguntas...Aí dá a merda que dá, porque o mercado dita o que deve ser o desejo, como manifestá-lo, como temos que ser para sermos desejáveis..."depois, aprende por aí/que nem eu aprendi/ tão distorcido que é uma sorte eu não ser pervertido". Mas o mercado não briga tanto com a moral que permeia os cérebros de nossa cultura: porque tudo tem espaço p/ ser escondido. Aí está!

O que significa proibir a pulseirinha? Esconder o desejo. Escondê-lo porque os adultos, sejam os pais, os professores, os padres, ficam estarrecidos por completo com o desejo do jovem. E tem mais: ficam estarrecidos com o desejo dA jovem. As pulseirinhas serem usadas por meninas com certeza choca. Como as nossas mini-saias, nossos sutiãs pretos em blusas brancas, as calcinhas que aparecem por baixo das saias entre as pernas abertas, nosso esmalte e batom vermelhos na escola, nossos palavrões, nossos decotes, nossos cabelos pintados...

Colocar a culpa dos estupros nas pulseirinhas vem do mesmo raciocínio que se faz ao colocar a culpa na mulher que manifesta seu desejo. A pulseira só é culpada para o adulto(veja, mas para o menino que a estuprou, a culpa já é da menina) ao invés da menina, porque o adulto não reconhece a possibilidade de sua sexualidade e seu desejo - é um círculo viciante. Depois o adulto não sabe de onde o menino que estupra por uma pulseirinha tirou a idéia de que se a menina manifestou desejo, ela pediu por isso e merece.

Nem é revolta só o que eu sinto vendo isso não - é lembrança mesmo.

Somos educadas para calar nosso desejo, e os meninos são educados para achar que manifestação de desejo é passe livre para provar que são os machões da vez - e claro, eles tem que ser o machão, que nem o papai. E no fim, nem nós meninas podemos nos manifestar, nem os meninos podem não querer ser...Porque se o menino quebrou a pulseira e não exigiu o seu "direito"...É um fracote, uma bicha, um ser menos valorizado socialmente.

E no fim, cá estamos nós presos a mesma merda de moral machista, que oprime meninos, meninas e adultos, trazendo a infelicidade geral, a culpa, e acabando com o desejo.

2 comentários:

  1. aprendi na internet: as crianças compram pulseiras do sexo, os adultos compram figurinhas da copa.

    ResponderExcluir
  2. E a gente se pergunta como é possível que ninguém perceba o verdadeiro problema? E depois de ficar horrorizado pela forma que tudo foi tratado pela mídia ainda tive que lidar com a angústia e descobrir como introduzir isso no trabalho, na militância diária pela liberdade sexual.


    PS pro barra/ .ponto: e os dois são recriminados por fazerem oq fazem!

    ResponderExcluir