terça-feira, 15 de setembro de 2009

Liberdade sexual e Revolução

Vale esclarecer alguns pontinhos sobre meu último post, que gerou um comentário do colega J.L. Tejo:

Sobre seu comentário em meu blog: em momento nenhum defendi a liberdade sexual como liberdade em seu sentido mais amplo...Estou apenas me referindo à plasticidade do capitalismo em relação aos movimentos de liberdade sexual, como foi cooptado o próprio movimento hippie, como os movimentos pela diversidade sexual, como o movimento feminista, e como o próprio mercado nos aliena e ilude, com uma falaciosa liberdade...Não estou falando em liberdade como apenas liberdade sexual, mas ela também é parte da revolução e do fim do Capital.

E digo mais: liberdade é coisa corpórea. Esse papo capitalista de que somos livres para escolher é uma grande bobagem. Não há como falar em liberdade e emancipação humana com metade da humanidade morrendo de inanição, de sede, de doenças resolvíveis com o mínimo de saneamento básico. A pior ditadura é a fome.

Se eu acreditasse em militância só pela liberdade sexual, não seria pró-Cuba, nem teria tanto contato com o conhecimento popular, em que essa dimensão, pela configuração de nossa cristã colonização, está muitíssimo distante.

Sou militante em movimento de educação popular e arte livre, e estou militando para construir um momento revolucionário, de quebra e transformação do Capital em liberdade. Sem esse papo de democracia, que se propõe a falar de liberdade mas só tem sido instrumento de alienação política e dominação cultural e econômica de gordos capitalistas: não tenho muito medo da ditadura do proletariado não.

Agora, revolução para o fim do Capital sem revolução para o fim do machismo, do racismo, da homofobia, da exploração do meio ambiente e da dominação religiosa, não será revolução. Se é para libertar o ser humano da fome, que libertemos as mulheres e os homens dos padrões de comportamento, as mulheres dos olhos roxos e vaginas violadas, libertemo-nos dos padrões e rótulos de desejo, identidade e amor, sejamos todos da única raça humana, libertemos o meio ambiente de nossos venenos e dos chicotes, libertemos as pessoas desse maldito padrão irracional cristão para que elas sejam atéias, taoístas e até cristãs conscientes se elas quiserem.

Revolucionário que faz piada inferiorizando a mulher, rindo de gay(que na verdade é quase a mesma coisa, ou até pior), ou tendo surto de ciúmes possessivo sobre sua bela namorada sem combater e repensar seus sentimentos estará, inevitavelmente, reproduzindo a dominação do Capital, que inventou a família monogâmica, heterossexual e patriarcal para a própria fixação da propriedade privada, como o próprio Marx tão bem descreveu.

6 comentários:

  1. A maior parte das pessoas e das instituições não entende o sentido da ideia de liberdade, e até a Declaração dos Direitos Humanos não especifica o que deve ser entendido por liberdade. É uma ideia que tem tanto de extenso como de vago. É assim por razões políticas como sempre tem sido, situação esta que tem provocado um atraso milenar na evolução da humanidade, de forma que desta maneira até acreditamos que existem extraterrestres mais inteligentes do que nós, o que é uma estranha modéstia tendo em conta as nossas capacidades sobrenaturais...

    ResponderExcluir
  2. Como anónimo é um nome feio, o comentário de sexta-feira, 9 de Outubro de 2009 14H11MIN00S BRT pode ser discutido para o mail lpenteado@kanguru.pt

    ResponderExcluir
  3. Caro colega,
    Não entendi muito bem seu comentário.
    Gostaria que o esclarecesse.
    Tenho um conceito de liberdade, baseado nas minhas vivências e leituras, e é este que uso por aqui, já que este é um blog pessoal.
    Seguindo os posts, pode-se lê-lo.
    E por favor, identifique-se, ao menos com um nome...
    Obrigada pela visita!!
    =)

    ResponderExcluir
  4. Chamo-me Fernando. O que eu pretendia dizer não mete em causa o que disses-te. O que se passa no mundo, para além de uma quantidade enorme de desilusão, é a incompreenção e a valorização da liberdade.

    ResponderExcluir
  5. Olá Fernando!
    Pela sua forma de escrever e seu email, vejo que é português!! Que bacana! Talvez isso tenha feito com que eu não entendesse bem o que disse...=)
    A incompreensão geral do que é liberdade coloca em xeque muitas vezes as discussões sobre o sistema no qual estamos imersos - o Capitalismo. Esses tempos ouvi de um liberal que hoje somos mais livres, pois fomos elevados a condição de consumidores...Convivendo em um país como o Brasil, tão rico e tão desigual, é inconcebível a idéia de liberdade, já que a maior parte das pessoas não tem o que comer todos os dias, e todos estão imersos numa espécie de guerra civil da violência - desde os assaltos, sequestros, estupros, até e principalmente a violenta repressão policial.
    Bom, seja bem vindo a discussão, liberdade é um dos meus temas preferidos...
    =)
    Você tem algum blog também? Como ficou sabendo deste?
    atés!

    ResponderExcluir
  6. Olá! Não tenho blog e conheci o teu por viajar na internet interessado pelo tema da liberdade sexual. A prática deste capitalismo que conhecemos cria um círculo vicioso, que vai até à criminalidade, estando ambos de acordo acerca da sua exclusiva felicidade. O capitalismo seduziu as pessoas com a riqueza que podem adquirir sendo espertos, no caso particular, mais espertos que os outros.

    ResponderExcluir