sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Expansão...

Estava agora lendo um quitute que gosto muito, a Caros Amigos, e pensando...Tudo o que eu leio/ouço sobre o mundo me estimula a pensar e querer escrever/falar, e eu leio a Caros porque ela tem o tamanho ideal para lê-la por inteiro, assuntos interessantes e pontos de vista que eu nem sempre concordo, mas que ainda estão do mesmo lado esquerdo...

Enfim, mas como eu dizia: estou precisando expandir...
Fiquei numa fase introspectiva de revolução, na altura do micropoder, das minhas relações...
Quebrando meus tabus, saca? Quebrando e destruindo, libertando-me toda hora....muito bom, muito feliz...Pensando já sobre como quebrar o maior tabu - minha relação calada com a minha mãe....Deixando algumas amizades num plano onde elas possam ficar sem interferir na minha libertação e sem serem amizades mentirosas - e algumas ficaram de lado, outras foram despertando outros corações, criando um laço maior ainda...Enfim, essa introspecção avaliativa e reflexiva para fazer as minhas revoluções, sem muita leitura, sem muita rua, sem muita gente, sem muita conversa fiada e com conversas muito profundas, foi importante e muito boa - mas chegou a hora de voltar ao meu tripé e vir para a política um pouquinho...
Inclusive a cinza, mas só p/ deixá-la apanhar bastante, hehehe...
Estou devendo algumas coisas, escrever sobre aborto, alimentação, saúde, e mais um monte de coisas, mas quero retomar minha leitura, que sempre fornece um bom combustível à escrita...
A Caros desse mês está com a melhor coluna do Glauco Mattoso(que é minha coluna preferida da revista, mais até que a do Fidel) que já li, falando sobre as gordinhas e os regimes ditatoriais...hehehe...adoro esse cara...

Eu preciso voltar a fazer as coisas, fazer as coisas para fora da minha casa, agora que estou com novas liberdades, novas epifanias, novas alegrias...
O Sol que tem feito aqui está convidativo...
Uso no momento um vestidinho deliciosamente fresco, colorido e laranja, óculos escuros, sandalinhas leves, roupa tipicamente dezembra, e isso me faz tão feliz...
Fiquei pensando nessas porra louquices da minha vida, no quanto se chocam as pessoas com o que eu faço - e que nada mais é do que o que elas mesmas queriam fazer - e imaginando o quão maluco é fazer uma revolução simplesmente por ser feliz...

E certamente eu não iria conseguir pegar uma metralhadora nas mãos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário