quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Por que um blog?

Caros Amigos...

Este primeiro post é para explicar, justificar, formalizar e responder a esta pergunta simples e prática: por que criar um blog?

Vamos lá, tenho razões políticas, artísticas, pessoais e médicas para criar um blog...

1 - As Políticas: Bom, eu penso bastante em política, e tenho procurado cada dia mais ler e estudar sobre tudo o que está relacionado a ela, atuar sobre ela ativamente e saber quando estou atuando nela passivamente, além de refletir sempre até onde posso ir com ela. O blog é uma maneira de não perder as minhas reflexões e ações, de ter um registro disso...fiquei maravilhada quando comecei a ter contato com textos e histórias de anarquistas, que sempre tem uma preocupação muito grande com o registro, a memória, para que não se perca o outro lado da verdade, dos fatos e dos argumentos...fiquei assustada ao reestudar história e descobrir como a escrita demarca a história de todos nós, e porque ela considera civilizado o povo com escrita e regulamentações formalizadas: sendo a nossa sociedade dominada por (nojentas e perversas) relações de poder, nada que fizermos terá efeito no futuro se não tivermos o seu registro, se não lutarmos por eles, pois essa é a única salvação perante a derrota da batalha de hoje, é isso que trará alguma possibilidade para o futuro. Se não registrarmos e lutarmos para salvar o registro, o poder sempre irá destruí-lo e distorcerá o que fomos e o que somos hoje. É a única chance que teremos de trocar as nossas idéias com o resto do mundo, de conquistar mais gente para o nosso lado, saber falar a língua do poder, usar sua estratégia. Se os portugueses aprenderam a língua indígena para dominar-los melhor, vamos nos utilizar da ferramenta do poder para destruí-lo.

Sim, este blog é de uma pessoa de esquerda... não, eu não sou comunista, socialista, anarquista, egoísta, autruísta, moralista, feminista, ateísta, saxofonista, violinista, violonista, baixista, baterista, capoeirista(este eu tô tentando ser!) bla bla bla... eu quero que as classificações e os nomes que me dão de "istas" vão para a puta que pariu!

Eu sou a favor da dignidade. Discutirei o que isso significa para mim em outro post.

Claro que eu tenho mais afinidade com alguns do que com outros...mas não me classifico em nada porque eu sou anti-doutrtinária, anti-ortodoxa, eu sou um ser em construção, cheia de contradições dialéticas e gritantes, que vão me modificando sempre e aos poucos...E eu espero que a metamorfose ambulante ande sempre comigo, e que, como considera Pasollini, minha vida só faça sentido depois de minha morte...porque aí, realmente, não há mais como mudar.

2 - As Artísticas: Às vezes escrevo uns poemas, uns textos, e nunca mostro para ninguém...na verdade, eu geralmente os acho péssimos (não adianta, literatura para mim nunca poderá ir além de um passatempo, minha arte está no corpo que passeia pelo palco, e não nas palavras sedentas por sair, por gritar e se espalhar...essas eu guardo para os registros revoltados!).
Eu também adoro compartilhar música, penso muito tempo nas músicas, escrevo sobre minhas impressões, pesquiso, decoro, mudo algumas partes na minha cabeça, enfim...Esse blog seria uma forma de fazer isso, melhor que o perfil do orkut...hehehe

O próprio nome do blog vem de uma música que eu adoro, com a qual me identifico, que se chama Vaca Profana, e é do Caetano...apesar de tudo, o Caetano é um letrista fantástico, e boa parte de minhas músicas preferidas vem dele (dele e , claro, do Raulzito, que estará muitíssimo presente nesse blog)...mas tenho um carinho especialíssimo pela Vaca Profana, por renegar os caretas dando muita risada, e por falar de viagens e de amores diversos e perdidos, que são tudo o que eu amo nessa vida, uma postura que eu tento tomar, de "respeitar muito minhas lágrimas, mas ainda mais minhas risadas"...por falar de vacas com divinas tetas(eu amo as minhas, hahahah), enfim...

3 - As Pessoais: Meu sonho de infância era ser jornalista, eu adoro escrever, principalmente para argumentar, e ter um blog é poder ser um pouco jornalista e um pouco cronista, é ter um espaço para escrever que não seja uma folha perdida em um caderno de química, um espaço que outras pessoas também verão...Tenho problemas demais para expor minhas razões, sou péssima oradora quando se trata de dar a minha opinião, ou me escondo e me calo, ou explodo e grito, e perco a razão...As coisas que faço acabam alardeando sem que eu me explique nunca, do cabelo vermelho ao jeito debachado, a típica tímida espalhafatosa...e fico tentando conciliar todo mundo, mesmo que não concorde com quase nada de verdade, para evitar o conflito que sempre acaba estourando depois, a típica balança libriana de ascendente no explosivo signo de touro, que sempre faz gritar o lado mais profundo, chorão e meloso do meu signo lunar pisciano...

Não, eu não sou uma doida psicótica por signos, mas me identifico muito com a descrição do meu mapa astral...heheh

Morro de medo de perder as pessoas, e muito pior, tenho pavor de críticas. Pronto, assumi.

Mas quero mudar isso, por que quero ser sincera comigo, quero ser sincera com os outros, quero que a parresía(a coragem de dizer a verdade) me tome e me preencha, para que eu seja um ser mais completo, mais inteiro, e muito mais revolucionário(no meu conceito de revolucionário, claro, mas isso a gente discute depois)...O blog é uma forma de falar ainda sem mostrar tanto a cara...heheh...tudo é um processo....

4 - As Médicas: Sou um ser meio maluco, e escrever para organizar as idéias é certamente um ótimo remédio anti-psicanálise....não tenho nada contra psicólogos, mas nunca consegui me adaptar a nenhum deles, simplesmente porque todos eles me olhavam com cara de pena e me guiavam para a conclusão de que eu devia me adaptar e me acostumar com um mundo que me insulta... E até hoje eu não me deparei com uma teoria de psicologia que me convencesse...algumas até que me parecem um pouco razoáveis, mas sei lá...enfim, estudei muito pouco também...Mas enquanto não estudo mais, ficarei nos meus textos cibernéticos mesmo....heheheh

--------------------------

Acabo aqui minhas razões bloguísticas....

Até o meu próximo devaneio!

Vaca Profana

3 comentários:

  1. Aprendi com uma professoa - que foi e esta sendo fundamental no meu processo - que alguns psicologos diagnosticam experiências, dores, e pesssoas como poços, escuros e profundos demais. Na verdade eles é que não percebem que são rasos e claros demais, incapacidatos de ver, sentir, compreender, e quanto mais ajudar na exploração dos poços que eles julgam escuros e fundos.

    Ta confesso aqui um dos meus maiores medos, e espero que vc me reconheça pela confissão: não conseguir acompanhar sua profundidade! Só assistir, como um daqueles filmes ótimos que eu ainda pago meia por ser estudante.

    Quero pagar inteira. Não quero pagar. Mas ninguém vive uma paixão impunimente.

    ResponderExcluir
  2. Me identifiquei mto com a parte psicológica da coisa... tbm não me adapto com esse tripo de coisa, na verdade vo citar uma frase que o Daniel me disse (o garoto aí de cima do da hora"!): "Robs, nem a gente consegue se entender, como que um psicólogo vai entender a gente???" O Daniel fala pouco em coisas mais profundas, mas qdo fala, fala pra valer mesmo =) Na grande maioria das vezes concordo com ele! E é isso mesmo, parece que querem que nos acomodemos... ouvi isso de uma psicóloga "o trem da Medicina só passa uma vez na nossa vida, e quando ele passa, a gente pega" ou seja, "não tente de novo se vc não está bem onde está"... Neo, desculpe a crítica aos psicólogos, acredito que vc não será um desses que irão "acomodar" as pessoas!
    Acho que falei demais... pra variar... demorei, mas tô lendo Isa! Bjoss!!!

    ResponderExcluir